PESQUISE NA WEB

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

João Bosco


João Bosco de Freitas Mucci, nascido em 13 de julho de 1946 na cidade de Ponte Nova - MG, é um cantor, violonista e compositor brasileiro. Filho de pai libanês, João Bosco começou a tocar violão aos doze anos, incentivado por uma família repleta de músicos. Alguns anos depois, iniciou na Escola de Minas em Ouro Preto cursando Engenharia Civil. Apesar de não deixar de lado os estudos, dedicava-se sobremaneira à carreira musical, influenciado principalmente por gêneros como jazz e bossa nova e pelo tropicalismo. Foi em Ouro Preto, em 1967, na casa do pintor Carlos Scliar, que conheceu Vinícius de Moraes, com o qual compôs as seguintes canções: Rosa-dos-ventos, Samba do Pouso e O mergulhador - dentre outras. Em 1970 conheceu aquele que viria a ser o mais frequente parceiro, com quem compôs mais de uma centena de canções: Aldir Blanc, O mestre sala dos mares, O bêbado e a equilibrista, Bala com bala, Kid cavaquinho, Caça à raposa, Falso brilhante, O rancho da goiabada, De frente pro crime, Fantasia, Bodas de prata, Latin Lover, O ronco da cuíca, Corsário, dentre muitas outras. A primeira gravação saiu no disco de bolso do jornal O Pasquim: Agnus Sei (1972). No ano seguinte, selou contrato com a gravadora RCA, lançando o primeiro disco, que levava apenas seu nome. Em 1972 conheceu Elis Regina, que gravou uma parceria sua com Blanc: Bala com Bala; a carreira deslanchou quando da interpretação da cantora para o bolero Dois pra lá, dois pra cá. 

Discografia

RCA / Sony Music 
1973 - João Bosco 
1975 - Caça à raposa 
1976 - Galos de briga 
1977 - Tiro de misericórdia 
1979 - Linha de passe 
1980 - Bandalhismo 
1981 - Essa é a sua vida 

Ariola 
1982 - Comissão de Frente 
1983 - Centésima apresentação - ao vivo 

Barclay 
1984 - Gagabirô 
1986 - Cabeça de nego 

CBS/ Sony Music 
1987 - Ai ai ai de mim 
1989 - Bosco 
1991 - Zona de fronteira 
1992 - Acústico MTV - ao vivo 
1994 - Na onda que balança 
1995 - Dá licença meu senhor 
1997 - As mil e uma aldeias 
1998 - Benguelê (trilha sonora do Grupo Corpo) 
2000 - Na esquina 
2001 - Na esquina - ao vivo (CD duplo) 
2003 - Malabaristas do sinal vermelho Universal Music 
2006 - Obrigado, gente! - ao vivo (CD e DVD) 
2008 - Senhoras do Amazonas - João Bosco & NDR BIG BAND (CD) 
2009 - Não vou pro céu, mas já não vivo no chão (CD) 
2012 - 40 Anos Depois (CD e DVD)

sábado, 26 de julho de 2014

Sem data de publicação, novo livro de Ariano reforça estilo do escritor


 
"É Ariano no seu melhor estilo". Assim a editora Maria Amélia de Mello, responsável por revisar e publicar as obras de Ariano Suassuna desde 2002, define o livro póstumo do escritor, “O Jumento Sedutor”. Suassuna deixou a obra pronta, entretanto faltou juntar as ilustrações feitas à mão com as partes do texto, segundo Alexandre Nóbrega, genro e braço direito do autor na finalização do trabalho. Após 30 anos de produção, ainda não se sabe quando a publicação será lançada. A ideia de Ariano era publicá-la ainda este ano, conforme divulgou a editora José Olympio. Perfeccionista, o dramaturgo tinha seu próprio tempo: lia, relia, mudava palavras, redesenhava as ilustrações. Em 2006, o autor já afirmava que a obra, que começou a ser produzida nos anos 1980, estava pronta, como informou a própria assessoria de imprensa de Suassuna. “A obra estava concluída, mas ele continuava mexendo em algumas coisas. Ele pediu para a gente parar, em junho, para ele dar uma lida, mexer um pouquinho ali, como sempre fazia. Isso não é exclusivo, é comum acontecer entre os escritores. Cada um tem seu tempo, e o dele era esse. Ainda mais que ele convivia tantos anos com esse livro; o envolvimento emocional com o projeto era visceral. E, como ele dizia, esse processo de criação era melhor parte. Ele criava a mão, recortava, desenhava, colava. Era algo muito complexo. Mas a gente já havia definido o papel, o formato”, informou Maria Amélia, da editora José Olympio. Pouco se tem informações sobre o enredo de “O Jumento Sedutor”, que só deve ser revelado de fato quando for publicado. O que se sabe é que envolve teatro, poesia, romance, em um formato não convencional. O número de páginas também é desconhecido, porque precisa de uma diagramação e edição delicadas. “A ideia de Ariano era lançar ainda este ano, mas só se me entregasse em tempo hábil. Se ele demorasse mais, não teria como fazer para esse ano, porque não teríamos recursos disponíveis. Talvez a gente conseguisse para esse ano, ou começo de 2015. Mas a edição não é fácil, porque é uma obra muito complexa. Não consigo nem determinar a quantidade de páginas, mas é um livro grande, complexo”, comentou Amélia. O livro também conta com um número muito grande de personagens e uma série de histórias e ações. De acordo com Alexandre Nóbrega, ainda falta unir as ilustrações aos textos do artista. Como Ariano não usava computador, o trabalho manual exigia muito tempo e dedicação. “Ele cortava parte de textos, as ilustrações e tinha que unir uma coisa na outra. A gente não juntou esse material”, disse. Devido à recente partida do escritor, ainda não se sabe com irá acontecer os trabalhos para dar andamento à obra daqui para frente. Como pretendia lançar o livro antes do fim de 2014, Suassuna já tinha pedido para a editora Maria Amélia para fazer uma agenda de lançamento. A ideia era visitar diversas capitais do Brasil, apesar do medo de avião e da idade avançada do escritor. Agora, o público deve ainda esperar um tempo ainda não estimado para poder ter mais uma obra de Ariano em mãos.

sábado, 19 de julho de 2014

Rubem Alves

 
Rubem Alves, nascido em Boa Esperança, Minas Gerais em 15 de setembro de 1933 e falecido em Campinas em 19 de julho de 2014, foi um psicanalista, educador, teólogo e escritor brasileiro. Bacharel em teologia pelo Seminário Presbiteriano do Sul, em Campinas, Mestre em Teologia e Doutor em Filosofia (Ph.D.) pelo Seminário Teológico de Princeton (EUA) e psicanalista. Lecionou no Instituto Presbiteriano Gammon, na cidade de Lavras, Minas Gerais, no Seminário Presbiteriano de Campinas, na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Rio Claro e na UNICAMP, onde recebeu o título de Professor Emérito. Tem um grande número de publicações, tais como crônicas, ensaios e contos, além de ser ele mesmo o tema de diversas teses, dissertações e monografias. Muitos de seus livros foram publicados em outros idiomas, como inglês, francês, italiano, espanhol, alemão e romeno. Com formação eclética, transitou pelas áreas de teologia, psicanálise, sociologia, filosofia e educação. Após ter lecionado em universidades, tinha um restaurante (a culinária era uma de suas paixões e tema de alguns de seus textos), e vivia em Campinas, onde mantinha um grupo, chamado Canoeiros, que encontrava-se semanalmente para leitura de poesias.
 
Sua mensagem era direta e, por vezes, romântica, explorando a essência do homem e a alma do ser. É algo como um contraponto à visão atual de "homo globalizadus" que busca satisfazer desejos, muitas vezes além de suas reais necessidades. "Ensinar" é descrito por Alves como um ato de alegria, um ofício que deve ser exercido com paixão e arte. É como a vida de um palhaço que entra no picadeiro todos os dias com a missão renovada de divertir. Ensinar é fazer aquele momento único e especial. "Ridendo dicere severum": rindo, dizer coisas sérias. Mostrando que esta, na verdade é a forma mais eficaz e verdadeira de transmitir conhecimento. Agindo como um mago e não como um mágico. Não como alguém que ilude e sim como quem acredita e faz crer, que deve fazer acontecer. Em alguns de seus textos, cita passagens da Bíblia, valendo-se de metáforas. No site A Casa de Rubem Alves encontram-se releituras e discussões de suas obras.
 
Foi cidadão honorário de Campinas onde recebeu a Medalha Carlos Gomes de contribuição à cultura. Autor do livro Da Esperança (Teologia da Esperança Humana), Rubem Alves é tido por muitos estudiosos como uma das mais relevantes personalidades no cenário teológico brasileiro; o fundador da reflexão sobre uma teologia libertadora, que em breve seria chamada de Teologia da Libertação.3 Via no Humanismo um messianismo restaurador e assim, desde os anos 60 participou do movimento latino-americano de renovação da teologia. Sua posição liberal logo lhe trouxe graves problemas em seu relacionamento com o protestantismo histórico e especificamente presbiteriano. Foi questionado desde cedo por suas ideias e teve de abandonar o pastorado, tendo antes abandonado suas convicções doutrinárias ortodoxas. Foi dessa experiência que surgiu o livro Protestantismo e Repressão, que busca elucidar os labirintos do cotidiano histórico deste movimento religioso. Escreveu ainda um livro em inglês que falava do futuro da humanidade, Filhos do Amanhã, onde tratou de como um futuro libertador dependia de categorias que a ciência ocidental havia desprezado. Lançou ainda um livro chamado Variações sobre a vida e a morte, onde trata de construir uma teologia poética, preocupada com o corpo, com a vida em sua dimensão real. Foi proibido de falar nos púlpitos da Igreja Presbiteriana do Brasil, o que não o impediu de ser convidado para pregar na Igreja Presbiteriana de Copacabana, no Rio de Janeiro, em 31 de outubro de 2003, por ocasião das comemorações pela Reforma Protestante. Rubem Alves faleceu em 19 de julho de 2014, em Campinas, por falência múltipla de órgãos.

sábado, 7 de junho de 2014

Aldir Blanc



Aldir Blanc Mendes, nascido aos 2 de setembro de 1946 na cidade do Rio de Janeiro - RJ,  é um compositor e escritor brasileiro. Notabilizou-se como letrista a partir de suas parcerias com João Bosco, criando músicas como Bala com Bala (sucesso na voz de Elis Regina), O Mestre-Sala dos Mares, De Frente Pro Crime e Caça à Raposa. Uma de suas canções mais conhecidas, em parceria com João Bosco, é O Bêbado e a Equilibrista, que se tornou um hino contra a ditadura militar, também tendo sido gravada por Elis Regina. Em um de seus versos, "sonha com a volta do irmão do Henfil", faz-se referência ao cartunista Henrique de Sousa Filho, o qual na época tinha um irmão, o sociólogo Betinho, em exílio político no exterior.
 
Em 1968, compôs com Sílvio da Silva Júnior "A noite, a maré e o amor", música classificada no "III Festival Internacional da Canção" (TV Globo). No ano seguinte, classificou mais três músicas no "II Festival Universitário da Música Popular Brasileira": "De esquina em esquina" (c/ César Costa Filho), interpretada por Clara Nunes; "Nada sei de eterno" (c/ Sílvio da Silva Júnior), defendida por Taiguara; e "Mirante" (c/ César Costa Filho), interpretada por Maria Creuza. Em 1970, no "V Festival Internacional da Canção" classificou-se com a composição "Diva" (com César Costa Filho). Neste mesmo ano, despontou seu primeiro grande sucesso, "Amigo é pra essas coisas" em parceria com Sílvio da Silva Júnior, interpretado pelo grupo MPB-4, com o qual participou do "III Festival Universitário de Música Popular Brasileira". Sua canção "Nação" (c/ João Bosco e Paulo Emílio), gravada em 1982 no disco de mesmo nome. foi grande sucesso na voz de Clara Nunes.
 
Em 1996 foi gravado o disco comemorativo Aldir Blanc - 50 Anos, com a participação de Betinho ao lado do MPB-4 em O Bêbado e a Equilibrista no disco comemorativo. Esse disco apresenta diversas outras participações especiais, como Edu Lobo, Paulinho da Viola, Danilo Caymmi e Nana Caymmi. O álbum demonstra, também, a variedade de parceiros nas composições de Aldir, ao unir suas letras às melodias de Guinga, Moacyr Luz, Cristóvão Bastos, Ivan Lins e outros. Outro parceiro notável é o compositor Guinga, com quem fez, dentre muitas outras, "Catavento e Girassol", "Nítido e Obscuro" e "Baião de Lacan". Também em 1996, Leila Pinheiro lançou o disco Catavento e Girassol, exclusivamente com canções da parceria de Aldir Blanc com Guinga. No disco há uma homenagem a Hermeto Pascoal, com a música Chá de Panela, que diz que "foi Hermeto Pascoal que, magistral, me deu o dom de entender que, do riso ao avião, em tudo há som". Em 2000, participou como convidado especial do disco do compositor Casquinha da Portela, interpretando a faixa "Tantos recados" (Casquinha e Candeia). Publicou, em 2006 o livro "Rua dos Artistas e transversais" (Editora Agir), que reúne seus livros de crônicas "Rua dos Artistas e arredores" (1978) e "Porta de tinturaria" (1981), e ainda traz outras 14 crônicas escritas para a revista "Bundas" e para o "Jornal do Brasil".